Marabá
24°C
Scattered clouds

Cheia desabriga 30 famílias com rio a 8,40 metros em Marabá

As famílias se estabeleceram no local nos últimos dias com apoio de um vereador | Fotos: Portal Debate Carajás
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Pelo menos 30 famílias já foram tangidas pela cheia dos rios em Marabá até esta terça-feira (23), quando o nível do Tocantins atingiu a marca de 8,40 metros acima do normal (indicação da régua fluviométrica da Seção Fluvial do Exército às 15h). Elas são de bairros situados às cercanias do Núcleo Cidade Nova, que é banhado em grande parte pelo afluente Itacaiunas, e estão abrigadas em um ginásio inacabado.

De acordo com a dona Dorivan Morais da Silva, que foi a primeira ser atingida pela cheia do rio e também a responsável pelo início da ocupação da estrutura abandonada — localizada na esquina das ruas Rio Grande do Sul e Belo Horizonte com a Avenida Manaus —, a água já bate na cintura na área da sua antiga casa, no Bairro Carajás 2.

Lonas foram utilizadas pelas famílias para o estabelecimento no local

Ainda conforme a mulher, nenhuma autoridade ajudou no processo de mudança para o ginásio. Um cunhado dela, conta, foi quem procurou os responsáveis pelo espaço a fim de pedir licença para a ocupação. Isso aconteceu há cinco dias, na última quinta (18).

Outra que corrobora o depoimento é Maria da Conceição Vinícius. Ela está há quatro dias no local de abrigo provisório e chegou a procurar a Defesa Civil, mas o que recebeu foi a informação de que o órgão só atuaria na mudança de desabrigados quando o nível do rio atingisse a cota de alerta, qual seja 10 metros acima do normal.

Maria José, Maria Vinícius e Dorivan vieram de lugares diferentes, mas pelo mesmo motivo

Já Maria José Salazar, que é moradora do Bairro Amapá e também foi atingida pela água, relata inúmeras dificuldades enfrentadas pelas famílias no abrigo, como falta de eletricidade, banheiros e limpeza do local. Desafios que, na visão dela, poderiam ser abreviados pela prefeitura. A mulher alega ter recebido ajuda de um vereador para se estabelecer no abrigo, o que também aconteceu com outras famílias.

A Reportagem do Portal Debate Carajás esteve no ginásio, que toma como ponto de referência o prédio da Obra Kolping do Brasil, e colheu os testemunhos na manhã desta terça. Durante a tarde, em retorno do repórter ao local, equipes do Serviço de Saneamento Ambiental (SSAM) já haviam instalado três banheiros químicos na área externa e estavam em pleno trabalho de roçagem do mato.

Banheiros químicos (no canto esquerdo em laranja) já haviam sido instalados pela prefeitura no retorno da Reportagem

Também durante a tarde, autoridades municipais, estaduais e até federais se reuniram na Secretaria de Governo do Sul e Sudeste do Pará, no Carajás Centro de Convenções, para definir estratégias de intervenção na enchente. A Defesa Civil, o Corpo de Bombeiros e o Exército participaram do encontro. (Vinícius Soares/Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!