O anúncio de um
protesto previsto para acontecer amanhã (28), a partir de 8 horas, na Câmara
Municipal de Marabá (CMM), 
liderado pela Associação Nacional do Consumidor (ANACEL) e outras
associações de defesa do consumidor, levou a
Centrais Elétricas do
Pará (Celpa)
, a publicar a nota
abaixo:
“A
Celpa informa que está à disposição dos clientes para prestar todos os
esclarecimentos necessários a respeito dos valores cobrados na conta de energia
elétrica. Na última sexta-feira, dia 23, representantes da concessionária, em
Marabá, conversaram com um grupo de manifestantes que estava na porta da
empresa, na Folha 33, e solicitou que formassem uma comissão para ser recebida
por executivos da Celpa. Porém, o grupo não aceitou a reunião. 
A empresa também esclarece que de uma conta de energia de
R$ 100, R$ 39,21 são para tributos como ICMS, PIS, COFINS, e encargos
setoriais. Já R$ 38,37 são para transporte e compra de energia. E apenas R$ 22,
42 é o valor que fica com a Celpa para operar, manter e expandir a rede de
distribuição, e atender o cliente”.

Atenciosamente,
Relacionamento com a Imprensa e Mídias Sociais 
Em
contato com um dos organizadores do protesto realizado, na sexta-feira (23), a
pessoa confirmou a versão divulgada pela Celpa, a respeito do convite para uma
reunião com a direção da empresa, mas, segundo ele, o movimento não aceitou conversar,
por discordar dos “objetivos” do encontro proposto pela Celpa. Ontem 26,
começou a circular nas redes sociais uma “nota apócrifa”, acusando alguns
vereadores de estar se esquivando de comparecer à Sessão Ordinária da CMM amanhã
(28). Em contato com o Presidente da CMM, Vereador Pedro Correa, ele afirmou
que essa acusação não possui fundamento e descredibiliza um movimento legítimo.