A Polícia Civil de Marabá deflagrou, na manhã de hoje (10), a “Operação Hades 2019.1”, através da Divisão de Homicídios, e prendeu os pistoleiros Daniel Miranda Barros e Domingos Miranda Barros, acusados de efetuar vários disparos de arma de fogo, na cabeça de José Natal Cirqueira Filho, conhecido no ambiente familiar como “Zezinho”.

A vítima é moradora da cidade de Eldorado dos Carajás e estava em Marabá, fazendo um tratamento médico, após sofrer um acidente de moto e quebrar a perna. A “Operação Hades 2019.1” será executada em várias etapas, visando à elucidação de homicídios, ocorridos em Marabá, e capturar os autores.

De acordo com a Polícia Civil, “Zezinho” estava sentado na porta da residência de uma tia, no dia 15/1/2019, na Rua Gabriel Sales Pimenta, bairro Independência, os acusados Daniel Barros e Domingos Barros chegaram ao local, em uma moto, e efetuaram vários tiros em José Filho, sem nenhuma chance de defesa, pois ele não podia correr, porque estava com a perna quebrada e engessada.

“Zezinho” está em coma profundo desde o dia do atentado. Ele ficou internado no Hospital Regional do Sul e Sudeste do Pará até o mês de março. Já em casa, porém imerso em um sono profundo, a vítima não fala, não se move e se alimenta através de sonda. “Meu sobrinho está vegetando e os médicos nunca deram esperança de recuperação. Tiraram a vida de uma pessoa inocente por pura maldade”, lamenta uma tia da vítima.

“Hades” é o Deus grego do mundo dos mortos. Nome dado pela Polícia Civil para a operação que tem o objetivo de prender elementos acusados de homicídio e tentativa de homicídio em Marabá. Um dos acusados foi preso no trabalho e o outro foi capturado em casa. O Poder Judiciário solicitou “prisão temporária”, fato que deixou a família de “Zezinho” bastante revoltada.