O marido de Caroline Bittencourt será indiciado por homicídio culposo (quando não há intenção de matar), segundo a Polícia Civil. A modelo morreu depois de cair de uma lancha que atingiu o litoral norte de São Paulo no último dia 28. Para o delegado Vanderlei Pagliarini, que investiga o caso, o empresário Jorge Sestini teve um comportamento negligente ao sair para navegar com a mulher naquele dia. Ele teria sido avisado sobre a tempestade.

A polícia resolveu indiciar o empresário depois de ouvir depoimento do dono da marina de onde partiu a embarcação do casal. Também foi ouvido o marinheiro que resgatou Jorge. Segundo o inquérito, mesmo advertido sobre o mau tempo, Jorge resolveu seguir com os planos. O dono da marina afirmou no depoimento que também alertou outras embarcações que estavam no mar e que no meio da tarde notou que três não tinham retornado.

Ainda no depoimento, ele conta que às 15h37 de domingo encaminhou uma mensagem que recebeu via Whatsapp sobre o vento que já provocava estragos em Itanhaém, no Litoral Sul. Segundo o proprietário da marina, neste momento, o empresário informou que estava no Canal de São Sebastião e que chegaria às 17h30. Percebendo, então, que a embarcação não tinha retornado, emitiu nova mensagem às 17h15 avisando da situação crítica já no Canal de São Sebastião, contudo, já não teve resposta de Jorge Sestini.

“Sabedor do mau tempo que assolava naquele momento a região, especialmente para quem se encontrava a bordo de embarcações de pequeno porte, expressamente advertido a esse respeito, resolveu por lançar-se ao mar, não providenciando ao menos que a vítima utilizasse um colete salva-vidas, como lhe competia, negligência indiscutível que remete aos fundamentos dos delitos culposos”, disse o delegado. A pena, caso Jorge seja condenado por homicídio culposo, é de um a três anos de detenção.

Texto: DOL