Marabá
31°C
Clear sky

Brigadistas continuam trabalho de combate às queimadas em Marabá

A Brigada de Combate a Incêndios da Defesa Civil tem a parceria da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) e do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Conman)
Foto: Divulgação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Com quase três meses de atuação, a equipe de brigadistas da Defesa Civil de Marabá já combateu mais de 260 focos de queimadas no município. Esses dados são da Defesa Civil do município que tem trabalhado atendendo aos chamados por telefone, mas principalmente, por meio das rondas diárias pelas áreas propícias às queimadas na cidade, como explica o bombeiro civil Renilson Mendes.

“Geralmente a gente faz três rondas por dia, e a importância disso é que conseguimos chegar ao foco de incêndio com mais rapidez, antes dele se propagar. Às vezes acontece de chegarmos e já ter uma grande parte da área queimada, mas em 60% dos casos conseguimos chegar bem no início” destaca o brigadista.

A Brigada de combate a incêndios da Defesa Civil tem a parceria da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) e do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Conman). Como suporte logísticos, os profissionais tem três caminhonetes, um caminhão pipa com capacidade para 20 mil litros de água, bem como, as ferramentas e equipamentos necessários para o combate a incêndios florestais, a exemplo de abafadores, mochilas costais, rastelos, ciscadores, pá, foice e facão. O efetivo é de 24 brigadistas de ambos sexos que se dividem em duas equipes.

As causas mais comuns dos incêndios florestais, segundo a Defesa Civil, ainda é a ação humana. Chamas provocadas por pessoas para a limpeza de terrenos, derrubadas, entre outros. Esta semana, a equipe atuou em uma área de varjão, na conhecida Vila Socó, abaixo da ponte sobre o rio Itacaiunas. Além de oleiros e outros trabalhadores, o fogo e a fumaça também poderiam prejudicar os condutores de veículos e ciclistas, já que o local fica às margens da rodovia Transamazônica.

“A gente pede à população que evite ao máximo tocar fogo porque a gente entende que as pessoas queiram se livrar do lixo, mas pra isso tem a prefeitura que pode ser acionada pra fazer essa coleta. É crime tocar fogo. É de um simples fogo, que se pode gerar um incêndio, a pessoa pode perder o controle, o vento pode levar pra longe e acaba prejudicando muita gente na cidade, causando até tragédias e desastres”, pontua o brigadista.

O ajudante de pedreiro José Lima, 59 anos, trabalha na Vila Socó, onde o fogo consumiu parte do matagal, tentou ajudar a apagar as chamas. O homem que viu o fogo se alastrando era oleiro e mantém um barraco como apoio para o plantio de legumes por lá. Felizmente, o fogo não avançou para o barraco porque o terreno estava limpo aos arredores.

“Eu tinha saído, e quando eu cheguei já vi o fogo, tentei apagar com uma mangueira, mas foi quando o pessoal chegou. Acho uma falta de responsabilidade das pessoas fazer uma coisa dessa, uma crueldade ainda mais no tempo em que estamos” comenta.

Saiba mais

Para acionar a Brigada de Combate à Incêndios, o telefone para contato é o (94) 99291-3641. O serviço funciona todos os dias das 8h às 18h. Já o Linha Verde, do Disque Denúncia em parceria com a SEMMA, é o número (94) 3212-3350 e também funciona como WhatsApp. (Secom PMM)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!