Marabá
31°C
Clear sky

Briga política entre deputado Éder Mauro e Helder Barbalho se intensifica no Pará

Éder e Helder protagonizam briga homérica no Pará - Crédito: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O deputado federal Éder Mauro (PSD) soltou um vídeo, durante o dia de ontem (24), com severos ataques pessoais ao governador do estado do Pará, Helder Barbalho (MDB), após a Polícia Civil realizar, na manhã desta quinta-feira (24), a operação “Boca da Cobra”.

De acordo com a PC, o mandado de busca e apreensão visou ao combate à sonegação fiscal, na compra da “Fazenda Bênção Divinal”, pelo deputado Éder Mauro. A propriedade rural fica localizada no município de Bujaru, a 196 km de Belém, é avaliada em R$ 2,8 milhões, porém foi comprada pelo parlamentar R$ 330 mil no dia 29 de julho de 2020, segundo a Polícia Civil, subordinada a Helder Barbalho.

Éder Mauro acusa o governador do Pará de utilizar o aparato policial estatal para perseguir seus desafetos ou opositores políticos. O deputado confeccionou uma camiseta branca, com a estampa de um cachorro preto, defecando na logomarca dos veículos de comunicação da família Barbalho. Os impropérios também foram direcionados ao senador Jáder Barbalho, pai, e a deputada Elcione Barbalho, mãe, do governador.

A briga por espaço político entre os dois se arrasta há anos. Éder Mauro é aliado de primeira hora do presidente Jair Bolsonaro no Pará, que, por sua vez, odeia Helder Barbalho. Durante a visita presidencial a Marabá, no dia 18/6/2021, o parlamentar federal, do alto de um palanque, incitou os bolsonaristas presentes a chamar o governador de ladrão. O nome da operação, denominada “Boca da Cobra”, seria uma crítica direta aos ataques verbais de Éder Mauro a Helder Barbalho.

O “nheco nheco” da dupla já protagonizou outros episódios. O deputado sempre ataca o governador através das redes sociais e Helder dá o troco com ações da Polícia Civil. Nessa briga, já sobrou até para vários jornalistas do estado do Pará, pois Eduardo Sarmento Cunha, Diógenes Silva Brandão e Jhonathan Souza da Silva tiveram suas casas invadidas a mando do governador, no dia 28/4/2020, sob pretexto de se combater as fake news em relação ao governo de Helder Barbalho.

O deputado Éder Mauro usa o embate belicoso contra Helder com o objetivo de ganhar capilaridade política para enfrentar o Barbalho nas eleições para o governo do Pará em 2022, porém o candidato preferido de Bolsonaro seria o delegado Eguchi, ex-PSL, que quase ganhou a prefeitura de Belém, em 2020, do atual prefeito Edmilson Rodrigues (Psol). Como em política o voto é a moeda mais valiosa, os 364.095 votos alcançados por Eguchi, correspondentes a 48,24%, falam mais alto na disputa.

Na gravação, Éder Mauro classifica Helder como “almofadinha” e “ladrão” e vomita diversos impropérios direcionados ao governador. O deputado afirma que a compra da “Fazenda Bênção Divinal” foi efetuada de maneira legal e não possui nada de irregular na transação financeira. Por outro lado, o grupo de comunicação ligado aos barbalhos continua “descendo a lenha” em Éder Mauro. (Pedro Souza/Portal Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!