O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Elmer Coelho Vicenzi, garantiu nesta terça-feira (14) que nenhum item foi retirado do Banco Nacional de Itens, a base de questões que é usada para compor o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ele ainda afirmou que nenhuma autoridade superior, seja o Ministro da Educação ou o presidente Bolsonaro, pediu para ler a prova.

“Não foi [feito] pedido ao Inep, de nenhuma autoridade superior – ministro da Educação ou presidente – para ler a prova”, afirmou Vicenzi, presidente do Inep.

No ano passado, Bolsonaro criticou uma das questões do Enem 2018 e disse que tomaria conhecimento do conteúdo antes da prova ser distribuída.

Em março, o Inep publicou uma portaria criando um grupo que faria uma “leitura transversal” da prova, para “verificar a sua pertinência com a realidade social”.

“[Quero] Deixar os estudantes muito tranquilos: nenhum item foi retirado da base”, disse Vicenzi. “Quando entra [na base], o item passa a ser um bem público”, garantiu Vicenzi.

Ele afirmou que não houve cortes de temas nem de grupos minoritários. “O MEC assinou um termo de ajuste de conduta para incluir estes temas. Eles serão observados”, disse.

Obediência normativa

Vicenzi ainda comentou sobre possíveis ordens do presidente Bolsonaro. Segundo o presidente do Inep, haverá “obediência normativa”.

“Se o presidente pedir, fará obediência normativa. Havendo normativo, fará. Não havendo, não fará. Quem fala sobre normativos? A Advocacia-geral da União. Não fui procurado, mas caso cheque isso, tenha certeza de que a AGU será instada a se manifestar sobre o procedimento”, afirmou.

Segurança do Enem

Vicenzi também garantiu que a prova do Enem segue sendo segura e falou que uma nova gráfica está prestes a ser contratada para a impressão do exame. Em abril, a RR Donnelley, que faria as provas do Enem 2019, decretou falência.

“Só falta o parecer da Advocacia-Geral da União”, falou.

Inep

Vicenzi foi indicado para ser presidente do Inep em substituição a Marcus Vinicius Rodrigues, demitido em 26 de março deste ano. Entre a demissão de Rodrigues e a indicação de um novo nome para o cargo titular, o Inep passou mais de 20 dias sem presidente.

Ele tomou posse no fim de abril.

Vicenzi é delegado da Polícia Federal e, desde novembro, atuava como na Corregedoria-Geral da PF. Ele também já chefe do Serviço de Repressão a Crimes Cibernéticos na Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado, e foi diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e presidente do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

G1