Marabá
32°C
Clear sky

Bolsonaristas mantêm apoio mesmo com recuo do presidente

Análise até 12h desta 6ª feira mostra que presidente ganhou seguidores; posts sobre “traição” foram só 0,4% do total no Facebook
Jais Bolsonaro durante evento do 7 de setembro na Esplanada dos Ministérios. Sérgio Lima/Poder360
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

O bolsonarismo não dá sinais de fragmentação nas redes sociais depois do recuo de Jair Bolsonaro (sem partido) em “declaração à nação”. Esta é a avaliação de Manoel Fernandes, diretor da Bites, empresa de análise de dados.

“Não há qualquer indicativo até agora que a base do presidente está deixando de apoiá-lo ou que há debandada”, disse ao Poder360.

Na 5ª feira (9.set.2021), às 16h25, o site do Planalto publicou nota oficial – escrita com a ajuda do ex-presidente Michel Temer (MDB)–, na qual Bolsonaro afirma que nunca teve a intenção de agredir outros Poderes, que suas “palavras contundentes” se deram pelo “calor do momento” e que sempre esteve aberto ao diálogo.

Horas depois, na tradicional live de 5ª feira, Bolsonaro declarou que a nota divulgada à tarde não tinha “nada demais”: “Eu acho que o que eu dei de resposta ali é o seguinte: eu estou pronto para conversar”.

Para Fernandes, a transmissão noturna do presidente serviu para reagrupar os bolsonaristas, desconcertados com a nota emitida à tarde. Análise da Bites até 11h desta 6ª feira (10.set.2021) mostra que a live de Bolsonaro foi a publicação com mais interações no Facebook no Brasil nas últimas 24 horas: 253 mil reações, 279 mil comentários e 62.000 compartilhamentos.

De 500 mil posts publicados sobre Bolsonaro em páginas ou grupos públicos, só 2.000 continham termos como “traição”, “traído” e “traidor” – número equivalente a 0,4% do total analisado na rede social de Mark Zuckerberg.

Também não foi registrada uma perda de seguidores nos canais oficiais do presidente. Pelo contrário. Nas últimas 24 horas – até 12h desta 6ª–, os perfis de Bolsonaro no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube ganharam 2.620 novos seguidores.

Em retrospecto, em 24 de abril de 2020, quando o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro anunciou sua saída do governo, Bolsonaro perdeu 55.000 seguidores de um dia para o outro. Nas redes, bolsonaristas lembraram o episódio envolvendo o ex-juiz, afirmando que o “tempo vai mostrar” que Bolsonaro estava certo, e pediram que “confiem no capitão”.

No caso dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes e Roberto Barroso, alvos de ofensas por parte de Bolsonaro nas últimas semanas, o crescimento nas redes foi ligeiramente menor: 1.321 novos seguidores Barroso (Twitter e Instagram), e 929 para Moraes (Twitter). (Poder 360)

Veja no infográfico abaixo os dados analisados pela Bites:

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!