Marabá
25°C
Overcast clouds

Assaltante é morta em carro de luxo na Nova Marabá

Mulher morreu em intervenção policial durante madrugada com toque de recolher | Foto: Divulgação/Polícia Militar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Desertas em função do toque de recolher determinado pelas autoridades, as ruas de Marabá testemunharam na madrugada desta quinta-feira (4) um enredo cruel de tentativa de latrocínio e intervenção policial com resultado morte – a terceira registrada neste 2021 na cidade.

Tudo começou no Núcleo Morada Nova, quando um indivíduo invadiu uma residência e roubou R$ 9 mil em espécie. Para fugir, tomou a chave de um Jeep Renegade prata. Não satisfeito, o criminoso disparou três vezes contra a vítima, acertando perna direita, braço direito e abdômen. Ela foi encaminhada ao Hospital Regional do Sudeste do Pará e o estado de saúde não foi informado.

Logo após o crime, uma viatura da Polícia Militar se deslocou a Morada Nova a fim de coletar informações. De posse da informação de que o veículo roubado rumava para a Nova Marabá, os agentes pediram reforço e designaram outras duas viaturas para locais estratégicos na Ponte Rodoferroviária sobre o Rio Tocantins. Foi isso que aconteceu.

Ao passar da ponte mista, o criminoso, que estava acompanhado de uma mulher no veículo de luxo, recebeu ordem de parada dos policiais militares designados para esse fim. Ele não obedeceu e descarregou o revólver que portava contra o veículo do Estado de modo a continuar a empreita criminosa.

Nesta foto, os itens utilizados pelos criminosos no assalto, com destaque para o revólver calibre 32

A partir daí, seguiu-se uma perseguição pelas ruas da Nova Marabá, passando pelas folhas do entorno daquela ponte, até chegar à Folha 8, que margeia o Rio Tocantins. Houve troca de tiros. A Polícia Militar chegou a usar um fuzil 556 para furar o pneu traseiro do automóvel utilizado na fuga.

Depois da invertida da PM, o veículo perdeu o controle em uma das pequenas ruas do logradouro público, já quase na beira-rio, e acabou batendo na calçada de uma casa.

Sara Lourrane da Silva Borges, que acompanhava o criminoso máximo, morreu em intervenção policial. Ela foi encontrada pelos militares dentro do veículo, ocupando o banco do carona, com um tiro na cabeça que partiu da arma de um PM. Uma ambulância chegou a ser acionada, mas a mulher não apresentava sinais vitais. Os policiais também chamaram a Divisão de Homicídios da Polícia Civil.

O criminoso responsável por roubar os R$ 9 mil e atirar na vítima de Morada Nova conseguiu fugir ileso do crime, entregando a comparsa à morte. Dentro do veículo, foram apreendidos um revólver calibre 32, cano longo, com duas munições intactas e uma deflagrada; grande porção de maconha; e dois celulares Android. Os policiais militares relataram os fatos na 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil.

Tabletes de maconha apreendidos pela polícia em balança para pesagem

Terceira intervenção

Em 15 de janeiro, Vinícius Silva Silva, de 21 anos, também morreu em troca de tiros com a polícia em região de mata entre os núcleos São Félix e Morada Nova. Ele havia roubado, com uso de arma de fogo, dois celulares em companhia de um adolescente, que se entregou.

Já em 13 de fevereiro, menos de um mês depois, vestido em uma camisa do Flamengo, Mayano de Oliveira Santos, também conhecido por Baianinho, levou a pior em troca de tiros com a polícia. A intervenção foi registrada em um bar situado na Rua das Cacimbas, no Bairro Amapá.

Agora, Sara Lourrane da Silva Borges também entra na estatística em meio a um crime que deve ser investigado pela polícia, visto que o responsável pela tentativa de latrocínio e roubo do veículo permanece sem identificação e isento de punição à altura dos crimes cometidos. (Vinícius Soares/Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!