Marabá
25°C
Clear sky

Pão e circo ou uma grande ideia?

O “maior churrasco do mundo” foi realizado, nesta terça-feira (10), em Parauapebas, e gerou burburinho na Capital do Minério.
Darci Lermen e o churrasco homérico - Crédito: Reprodução
Nesse dia 10 de maio (terça-feira) foi organizado pela prefeitura de Parauapebas o “maior churrasco do mundo” para comemorar os 30 anos de emancipação de Parauapebas. Não participei do evento, não por falta de vontade. Calculei que haveria grande aglomeração para comer 20 mil quilos de carne, e assim, preferi comemorar com mais tranquilidade na minha cozinha. Comemorar sim! Sempre comemoro o aniversário dessa terra que ajudei a construir desde 1987 e me proporcionou muitas oportunidades.

Pois bem. Como não estava lá, não posso comentar sobre o tal churrasco. Imagino que tenha sido um sucesso dado ao grau de organização demonstrado nos bastidores. Mas hoje, 11 de maio (quarta-feira), acompanhando a repercussão da festa pelas redes sociais, fiquei incomodado pelo teor dos comentários da maioria dos internautas.

Aquele clichê de sempre: “a cidade está cheia de buracos e o prefeito fazendo churrasco”, “os postos de saúde estão sem remédios e a prefeitura esbanjando com festa”, ‘a zona rural está abandonada, as estradas intrafegáveis e o Darci esbanjando nosso dinheiro”, “a cidade está um lixo, a educação… blá, blá… e o prefeito fazendo o maior churrasco do mundo. Sabe o que eu acho? Uma grande hipocrisia. Primeiro porque quem quer agradar todo mundo, morre na praia. Então, nesse caso, o prefeito não tem que se preocupar com as críticas nesse momento.

Segundo porque a maioria desse povo que está criticando o tal churrasco juntamente com o show de quase meio milhão, provavelmente vai estar nos comitês do Darci ou de quem ele apoiar se oferecendo para ajudar a elegê-los em troca de migalhas ou até de promessas que nunca serão cumpridas. Participo do processo eleitoral em Parauapebas desde 1988 e vejo tudo se repetir ano após ano. Parece que o povo vive implorando por pão e circo.

Não estou aqui desmerecendo as críticas em relação a situação da cidade. A cidade está abandonada? Está. Falta gestão? Falta. Os críticos têm razão pelas mazelas citadas e muito mais. Aliás, esse povo não sabe da missa um terço. Buraco nas ruas de Parauapebas é coisa pouca em relação aos verdadeiros problemas da gestão. O que esses críticos não tem razão é quanto a abordagem. A cidade abandonada e o churrasco não tem nada a ver.

Nosso orçamento é gigantesco e daria para sanar os problemas apresentados e fazer uma super festa no aniversário da cidade. Não estamos falando de um município pobre onde o gestor tem que tirar a verba da saúde, da educação, da infraestrutura para dar festa. Estamos falando de uma cidade próspera com recursos suficientes para se dar ao luxo de proporcionar ao povo o maior churrasco do mundo.

Não me coloco aqui como defensor do Darci. Já tem bajuladores demais fazendo isso e muito bem. Mas convenhamos. O prefeito executou uma jogada de mestre ao arquitetar esse plano ousado e proporcionar ao povo essa churrascada.

Pelas fotos foi bonito de se ver. As imagens mostraram todas as classes sociais reunidas para prestigiar a festa – por sinal muito bem organizada – e de quebra, saborear um delicioso churrasco, coisa de luxo nesses tempos de Bolsonaro. Qual o problema em proporcionar esse luxo ao povo?

Como todos já sabem, o Darci teve seu mandato cassado e se mantém no cargo graças aos recursos jurídicos que o sistema democrático permite. E esse churrasco veio em bom momento. Serviu para atrair ainda mais a simpatia do povo e esfriar os ânimos dos adversários.

Portanto, foi um plano bem elaborado e executado com sucesso. E restou a oposição ficar resmungando e usando os mesmos clichês de sempre com a velha ladainha que escuto desde 1996 no pleito que elegeu Bel Mesquita. E o Darci teve inteligência para entender esse processo que já se tornou cultural em Parauapebas. Entendeu e soube jogar o jogo a cada eleição.

Podem acusar o Darci de ser um péssimo gestor, de não ter aptidão para governar, de abandonar a gestão nas mãos dos empresários financiadores e políticos ambiciosos, de deixar que cada secretaria vire uma subprefeitura, de deixar a corrupção correr solta e outros defeitos que preencheriam umas três páginas. Mas ninguém pode acusá-lo de ser um mal político.

Como político, o Darci é imbatível, é um especialista em ganhar eleição e matar politicamente seus adversários. Não é a toa que está no seu quarto mandato. Cassado ou não, o Darci continuará vencendo eleições ou elegendo quem ele quiser até que a oposição se reinvente e abandone de vez essa estupidez. Política em Parauapebas é coisa para gente grande e a oposição tem se comportado como meninos mimados em busca de um herói típico valentão ou fanfarrão saído dos Contos de Nárnia. Enquanto isso… ponto para o Darci com seu super churrasco. (Por Luiz Vieira – Parauapebas)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!