Encenação de Free Fire e Resident Evil pelos alunos da terceira série tarde e da segunda série manhã (Foto: Vinícius Soares)

A noite dessa quinta-feira (12) reservou um espetáculo de arte para a comunidade da Escola Estadual de Ensino Médio “Dr. Geraldo Mendes de Castro Veloso”, situada no bairro Belo Horizonte, núcleo Cidade Nova, em Marabá.

Professores e estudantes realizaram mais uma edição da “Aquarela Cultural”, evento de cunho artístico em que diversas apresentações envolvendo literatura, dança, teatro e música são exibidas. “As Diversas Manifestações Artísticas: da Arte Rupestre ao Ciberarte” foi o tema trabalhado pelo conjunto neste ano. “Esta Aquarela está bem diversificada e entrará para a história como uma das melhores”, afirmou Evilângela da Silva Lima, vice-diretora da escola e uma das organizadoras da solenidade, ao Portal Debate Carajás.

Terceira série noite levou o público ao delírio com música eletrônica (Foto: Vinícius Soares)

Com uma encenação de arrancar aplausos, os secundaristas da terceira série do turno vespertino, um dos destaques da noite, representaram os jogos Free Fire e Resident Evil no palco da atração. Outra evidência foi uma das turmas de primeira série da tarde, que levou para a arena a intervenção “Liberdade Feminina”, abordando o feminismo e o processo de empoderamento feminino, ocasião em que dançaram a música “7 rings”, da norte-americana Ariana Grande, a qual fala sobre superação e conceitua a temática ostentada na quadra pelos discentes.

Turma da professora Joseíla, que leciona língua portuguesa e literatura, recordou grandes nomes da música nacional, dentre eles Luiz Gonzaga (Foto: Vinícius Soares)

Para a professora Joseíla Montenegro Lima, presidente do Conselho Escolar da instituição — que abordou com seus alunos grandes expoentes da música brasileira, dentre eles Heitor Villa-Lobos, Roberto Carlos, Raul Seixas e Luiz Gonzaga —, o saldo da Aquarela 2019 é positivo. “As produções artísticas e culturais mostraram que houve avanço em relação às edições anteriores, tanto na exposição em sala quanto nas apresentações no palco”, contou à Reportagem. “A execução do projeto permite identificarmos os múltiplos talentos e habilidades dos alunos, que merecem parabéns”, completou.

Realizada anualmente no mês de setembro, a Aquarela integra o calendário de atividades da unidade escolar há mais de uma década. Na noite de ontem, pais, alunos e professores deram exemplo de equilíbrio e serviram como protótipos da paz em meio a uma comunidade que vive às margens do contexto social, o que provou a qualidade e a amplitude de mais uma edição da festa cultural, encerrada pela banda “Menores de Idade”, composta por três alunos da escola.

Vinícius Soares