Marabá
24°C
Scattered clouds

Adolescente estuprada pelo próprio pai morre em parto prematuro

Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Uma garota de 13 anos morreu, na última quarta-feira (11), quatro dias após realizar um parto prematuro no município de Coari (AM). A menina era abusada sexualmente pelo pai há três anos e estava com cinco meses de gravidez. A criança é fruto do abuso sexual.

O suspeito, identificado como Tomé da Silva Faba, de 36 anos, está foragido. O caso aconteceu na comunidade Santa Maria do Igapó Grande, no Paraná do Jussara, zona rural do município. 

Segundo a polícia, a morte da menina ocorreu por conta da sua saúde frágil. Ela sofria de anemia profunda, cirrose e derrame pleural (água no pulmão).

O Boletim de Ocorrência foi registrado na Delegacia Interativa de Polícia de Coari, pela tia da vítima, logo após a morte dela. 

A mulher informou que a mãe da adolescente, identificada como Joiciara da Silva Faba, se recusava a acreditar no estupro e culpava a filha pelo ocorrido. Após a gravidez da adolescente ganhar repercussão na comunidade, a mulher pediu que o marido fosse embora do local. Isso ocorreu há mais de um mês. À polícia, ela disse que não sabe qual é o paradeiro dele. 

Ainda conforme o BO, os familiares desconfiavam das atitudes de Tomé, pois sempre estava acompanhado da garota. Ele levava a filha quando ia pescar ou caçar. 

O titular do DIP de Coari, delegado José Afonso Barradas, informou que um mandado de prisão cautelar preventiva em nome do suspeito já foi expedido pela Justiça e a equipe de investigação está em busca de Tomé. 

“Estamos à procura do homem e pedimos a colaboração da imprensa e da população para a divulgação da imagem dele”, disse Barradas.

Ainda conforme o delegado, o bebê se encontra internado no Hospital Regional do município. Conforme a assessoria de imprensa da Prefeitura de Coari, a adolescente estava sendo acompanhada pela rede socioassistencial.

Na última sexta-feira (6), ela esteve em atendimento psicológico no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), onde foi identificado a gravidade que se encontrava.

O quadro de saúde da menina se agravou ainda mais e, no sábado (7), foi feito o parto cesariano. Porém, a adolescente morreu nesta quarta-feira (11) por complicações. A falta do pré-natal pode ter contribuído para o quadro.

Em Tempo

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!