Acusado de triplo homicídio continua preso no interior do Pará

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Altair dos Santos, denunciado pelo Ministério Público por suposto envolvimento em triplo homicídio em Itaituba, permanecerá preso. O réu teve negado o pedido em ação de habeas corpus em que requeria, além da liberdade, o trancamento da ação penal. A decisão foi da Seção de Direito Penal do Tribunal de Justiça do Pará, em sessão realizada nesta segunda-feira, 23. Os julgadores acompanharam, à unanimidade de votos, o entendimento do relator do feito, desembargador Mairton Marques Carneiro.

A defesa alegou a ocorrência de constrangimento por excesso de prazo, já que está preso há mais de cinco anos, mas o relator ressaltou que não há qualquer ilegalidade a ser sanada no processo, que está tendo tramitação regular, estando no aguardo, também, de julgamento de recurso em sentido estrito, através do qual o réu recorre da sentença de pronúncia (que determina que ele seja submetido a julgamento popular.

O Ministério Público ofereceu denúncia contra Altair, argumentando ser o acusado mandante do triplo homicídio, em que figuram como vítimas a ex-esposa do réu, Leda Marta Luck dos Santos, a filha do casal, de nove anos, e a secretaria de Leda, Hellen Taynara Siqueira Branco. Os crimes foram cometidos no interior de uma loja de propriedade de Leda Marta, em fevereiro de 2014, a golpes de faca. Conforme o processo, Leda foi atingida por 13 golpes, a criança com 5 e Hellen com 17 golpes de faca.

A defesa de Altair Santos alegou a falta de fundamentação para a prisão, já que uma outra pessoa denunciada no processo, Dejaci Ferreira de Sousa, foi preso como autor do triplo homicídio e teria negado conhecer Altair (Dejaci aparece na filmagem do circuito interno instalado no local do crime que registrou os momentos em que ele entra na loja e depois sai).

Na denúncia, o Ministério Público aponta como motivação a não aceitação pelo acusado da separação do casal, que teria ocorrido cerca de dois anos antes do crime. O órgão ministerial juntou ao processo ainda vários testemunhos que dão conta de que Altair seria um homem violento e teria ameaçado a vítima em algumas ocasiões.

Pedro Souza

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!