Marabá
34°C
Clear sky

A importância do eleitor em tempos difíceis

Crédito: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

EDITORIAL – A longa pandemia da covid-19, iniciada nos primeiros meses de 2020, vem sangrando os cofres de municípios Brasil afora. As cidades estão vivendo o chamado “tempos de vacas magras”, onde a maioria dos prefeitos precisa lançar mão de muita articulação e habilidade política para fazer os recursos federais e estaduais chegarem aos cofres públicos, destinados a investimentos em saúde, educação, obras e manter a cidade funcionando.

Diante da grave crise sanitária, os números mostram uma queda acentuada na receita corrente líquida, uma flutuação quase sempre negativa da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais, a conhecida CEFEM, e nenhum novo recurso volumoso oriundo de emenda parlamentar. Tudo isso evidencia, em tempos de pandemia, o problema de escassez de dinheiro para investimentos em Marabá.

Como diz o provérbio popular, “a gente paga à tarde as loucuras cometidas pela manhã”. Nas eleições de 2018, isto é fato, o eleitor da Terra de Francisco Coelho votou muito mal, ao não eleger nenhum deputado federal, pois foi de Brasília, através de emendas parlamentares, que os recursos para execução de grandes obras sempre chegaram aqui. Um município do tamanho de Marabá paga muito caro por não eleger nenhum deputado federal.

Mesmo elegendo três parlamentares, os recursos estaduais são escassos e não conseguem nem fazer cócegas na enorme quantidade de problemas provocados pela covid-19. Se na eleição de 2022, o eleitor de Marabá continuar a votar nos chamados ‘candidatos de fora’, na hora da escolha para onde o político vai destinar o dinheiro de suas emendas parlamentares, vai prevalecer, como sempre prevaleceu, o ditado popular “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

É lógico que o parlamentar vai “agraciar”, com a maior parte dos recursos federais ou estaduais, a cidade onde ele mora, não Marabá. Além de eleger deputados estaduais, o município, mais do que nunca, vai precisar eleger deputados federais, porque ninguém sabe até quando o vírus da covid-19 vai continuar matando marabaenses e provocando estragos na economia do município. A União possui recursos de sobra para destinar aos 5.568 municípios, mas precisa de parlamentares federais para viabilizar convênios e emendas.

Um relatório das emendas parlamentares 2020, para serem executadas em 2021, obtido junto a Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), mostra que estão previstos apenas dois recursos para Marabá que não chegam a 300 mil reais. Uma dessas emendas ainda foi destinada pelo senador Zequinha Marinho (PSC). Essa realidade é um “tapa na cara” dos eleitores de Marabá, pois a maioria preferiu votar em candidatos “paraquedistas”. Se esse relatório não sofreu modificação, vamos “comer o pão que o diabo amassou” por falta de recursos públicos.

Os que votaram em candidatos “cometas” são os primeiros a reclamar dos problemas da saúde, educação, moradia, saneamento básico e falta de investimentos. Faça a sua parte eleitor, pois, a partir de 2022, quando isso tudo passar, Marabá vai precisar de muito dinheiro federal e estadual para reestruturar suas finanças. A cidade necessita de parlamentares comprometidos com a nossa gente. O candidato que mora em Belém, ou em outro lugar, jamais vai nos colocar como prioridade na hora de distribuir os recursos públicos.

Durante a campanha, eleitor, os “espertinhos visitantes” jurarão amor a Marabá, mas não caia nessa ‘manjada lábia’, é tudo papo furado. Da mesma forma, O Portal Debate Carajás vai acompanhar os atuais vereadores,  observando se eles estarão apoiando os conhecidos “candidatos de fora”. A partir de agora, visando a contribuir com o bem estar de nosso povo, o Debate Carajás ficará “de olho” nos parlamentares de nossa cidade e vai informar à sociedade se eles irão fazer campanha para candidatos “copa do mundo”, deixando o povo de Marabá em segundo plano.

Depois que isso tudo passar, a gente vai precisar estar juntos e unidos, pois já perdemos vários parentes e amigos para o terrível coronavírus e Marabá perdeu diversas receitas. Com o avanço da vacinação e a diminuição no número de infectados pela covid-19, tudo tende a ir voltando ao ‘novo normal’. A reconstrução da vida após a pandemia passará por diversas fases, entre elas, está o desenvolvimento de Marabá, e isso só se consegue com recursos públicos, logo votar em candidatos de Marabá será uma grande contribuição do eleitor. Afinal, “terra onde não existe carne, espinha de peixe é lombo”. Estamos de olho! (Texto: Pedro Souza/Portal Debate Carajás)

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!