10% do garçom: Santo Gole classifica como boatos o não pagamento da gorjeta aos funcionários

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Após uma página de notícias de Marabá fazer sucessivas publicações, durante a semana, sobre um possível não pagamento do conhecido “10% do Garçom”, a gerente da casa noturna Santo Gole, localizada na Orla de Marabá, Cleia Ribeiro, declarou que o conteúdo da publicação não é verdadeiro. “Todos os funcionários recebem o benefício no 15º dia de cada mês, rigorosamente em dia. O Santo Gole e Petiscaria não foi procurado, pela página, para esclarecimentos das acusações”, relatou a gerente, mostrando recibos de pagamento.  

Conforme prevê a Convenção Coletiva, o pagamento dos 10% precisa constar no contracheque.

O que diz a lei federal

A Lei Nº 13.419/2017, conhecida como Lei da Gorjeta, entrou em vigor 12/05/2017, sancionada pelo ex-presidente Michel Temer, no dia 13 de março de 2017, modifica alguns pontos do Artigo 457 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), regula a divisão das gorjetas entre profissionais da equipe de serviços como garçons e seus colegas de bares, restaurantes, hotéis e motéis.

A lei da Gorjeta não pode ser destinada a pagar encargos trabalhistas e a divisão deve ser realizada entre os funcionários na forma da Lei. 

Art. 457. § . A gorjeta mencionada no § 3º não constitui receita própria dos empregadores, destina-se aos trabalhadores e será distribuída segundo critérios de custeio e de rateio definidos em convenção ou acordo coletivo de trabalho.

Convenção Coletiva de Trabalho 2018/2019

A Convenção Coletiva, Nº 224/2018, realizada entre Sindicato Patronal e entidades representativas dos trabalhadores de hotel, bares, restaurantes e similares de Marabá, registrada no Ministério do Trabalho e Emprego, no dia 25/5/2018, apresenta a seguinte redação:

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTRAS GRATIFICAÇÕES

CLÁUSULA OITAVA – TAXA DE SERVIÇOS

Parágrafo Primeiro – Terão direito à taxa de serviço, os empregados que tiverem mais de 90 dias de carteira assinada ao mesmo empregador ou grupo de empresas. 

A gerente explicou ainda que os garçons “diaristas” não recebem a taxa de serviço porque trabalham esporadicamente e por esse motivo são contratados através do regime denominado “diária cheia”. Questionada se algum funcionário ou ex-funcionário deixou de receber a chamada taxa de gorjeta, Cleia negou peremptoriamente. “O Santo Gole funciona, há menos de 60 dias, a Convenção Coletiva estabelece que somente a partir de 90 dias trabalhados, o funcionário passa a ter direito aos 10%, mesmo assim pagamos todos os trabalhadores, sem distinção.

Cleia Ribeiro afirmou que espalharam boatos fora da realidade da empresa.

Origem dos boatos

Cleia Ribeiro atribui a divulgação das “notícias falsas” a algum ex-funcionário, demitido, por não atender ao perfil profissional da recém-criada casa noturna ou por servidor insatisfeito, algo corriqueiro nas relações trabalhistas. “Por ser uma empresa nova, ainda estamos em fase de seleção dos colaboradores e a não efetivação da contração de funcionários é natural no mercado de trabalho”, disse ela. A gerente ainda reclamou da falta de imparcialidade, das publicações da página, em somente ouvir um lado dos envolvidos na acusação, durante as publicações.

O que diz a página no Facebook

O jornalista, autor da página, afirmou que a intenção não foi denegrir a imagem da casa noturna, mas apenas chamar a atenção para um possível problema trabalhista existente. Ele disse ainda que não ver problema nenhum, no fato do Santo Gole mostrar que as denúncias feitas não corresponderem a verdade dos fatos narrados. 

Cadastre-se e receba notificações de novas postagens!